Páginas SERgipanas

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

A TRISTE MUDANÇA JÁ COMEÇOU


O primeiro ato de Obama como presidente


Chuck Norris

Obama prometeu enfaticamente mais que um ano atrás que “A primeira coisa que farei como presidente é aprovar a Lei de Liberdade de Escolha. Essa é a primeira coisa que farei”. Obama manterá sua palavra?

A Lei de Liberdade de Escolha, ou LLE, é um projeto de lei abrangente que abolirá todas as leis pró-vida nos Estados Unidos, desde leis que ordenam que os pais sejam notificados antes que filhas menores de idade façam aborto em hospitais até leis que proíbem o governo federal de financiar o aborto. A Conferência Nacional dos Bispos dos EUA identificou 13 categorias de leis pró-vida que serão aniquiladas e anuladas pela LLE. Embora a decisão Roe v. Wade — que legalizou o aborto nos EUA em 1973 — tenha entrado na jurisdição dos estados e nossas vidas, até mesmo Roe v. Wade, por exemplo, mostrava certo respeito pelas leis de cada estado e limites reguladores na área médica. A LLE não mostra restrição alguma, mas elimina todas as restrições e escolhas pró-vida.

E por que motivo Obama se comprometeu a aprovar a LLE? Não só porque ele tem o histórico mais ardentemente esquerdista e pró-aborto entre praticamente todos os políticos americanos, mas, conforme ele declarou numa reunião da organização pró-aborto Planned Parenthood durante sua campanha, “é hora de virar a página” para um novo dia em que as opiniões, leis e debates pró-vida acerca do aborto sejam coisa do passado. E se ele e a maioria do Partido Democrático conseguirem fazer o que querem, os Estados Unidos terão esse novo dia, um dia em que mais centenas de milhares de abortos serão realizados anualmente. Eu ainda penso que é totalmente hipócrita que um presidente e um partido político que se orgulham de ajudar e proteger as minorias não incluam entre elas as crianças em gestação.

A luta para aprovar a LLE está sendo travada apesar de uma nova pesquisa nacional revelando que de cada cinco adultos americanos, quatro (82 por cento) querem limitar a legalidade do aborto. De cada três, um (38 por cento) quer limitar o aborto apenas aos casos de estupro, incesto ou para salvar a vida da mãe. De cada três, um (33 por cento) quer também limitar o aborto até os primeiros três meses ou até os primeiros seis meses. Só nove por cento disseram que o aborto deveria ser legal por qualquer motivo por qualquer razão em qualquer momento da gravidez. Essas estatísticas contrastam fortemente com as metas e objetivos da LLE, que encerrará o debate cultural sobre o aborto de um modo sem precedente para impedir qualquer legislação que tente proteger os bebês em gestação.

Quanto à data em que pretendem aprovar a LLE, tenho motivo suficiente para crer que Pelosi e Reed (e talvez o próprio Obama) já tenham feito planos para introduzir e aprovar a LLE com rapidez e em segredo por meio do Congresso mais cedo do que a maioria espera. E eles usarão qualquer meio para distrair a atenção da oposição, até mesmo mimos financeiros pessoais. Creia-me quando digo que estão aguardando o momento preciso em que haverá mínima atenção pública e reação e oposição política.

Com tanto foco e frenesi cercando a ostentação da posse de nosso novo presidente, eles poderiam até mesmo tentar agir no Congresso durante a semana da posse. Alguns relatórios apresentam a posição de que a LLE poderia ser rapidamente reintroduzida no dia 22 de janeiro, no próprio aniversário em que a Suprema Corte legalizou o aborto. Por isso, fique alerta. Mas, por causa da natureza política matreira de publicamente apresentar e aprovar tal projeto de lei abrangente e polêmico como a LLE, creio que o governo de Obama fará tudo o que puder para distrair os conservadores e os evangélicos.

Essas táticas de distração podem até mesmo incluir parcialmente o motivo por que Obama escolheu Rick Warren para orar por sua posse. Quer Warren esteja certo ou errado para essa posição não vem ao caso, à luz da motivação política deles de usar a presença e oração dele. Warren poderia ser usado não só para aplacar os conservadores e evangélicos, mas também para distrair a atenção deles e minimizar a reação deles às iniciativas esquerdistas maiores, como estratégias sorrateiras em prol da LLE. Em resumo, Warren poderia ser uma isca de distração para a proliferação do aborto, principalmente se a aprovação da LLE for iminente.

Os Estados Unidos não precisam “virar a página” nas guerras culturais, como no caso do aborto. Os EUA precisam reabrir as páginas de sua história para as opiniões elevadas de nossos fundadores e para os direitos de todos os seres humanos, conforme estão documentados na Declaração de Independência e nossa Constituição. E precisamos reviver e reincutir esse valor da humanidade de volta na sociedade, em nossos filhos e em nossos netos.

Sob nossa Constituição, o governo federal tem de proteger esse direito à vida. Mas além de defender esse direito humano fundamental, os detalhes e debates das leis que lidam com o aborto devem ficar sob a responsabilidade de cada estado. Apesar de que a Suprema Corte derrubou todas as leis de aborto em cada estado em 1973, e instituiu um direito federal ao aborto completamente inconstitucional, há ainda muito que podemos fazer a nível estadual para proteger a vida humana, promovendo legislação e educação pró-vida. A menos, é claro, que a LLE seja transformada em lei.

Algumas pessoas pensam que depois de 35 anos de incessante controvérsia desde a decisão da Suprema Corte, que é melhor deixar prá lá a “velha” questão do aborto. Mas como meu amigo e escritor Randy Alcorn escreveu em seu livretinho “Why Pro-Life?” [Por que ser pró-vida?]: “O aborto nos colocou numa rota perigosa. Poderemos acordar e abandonar essa rota. Ou poderemos segui-la até o seu fim inescapável — uma sociedade em que os poderosos, para seus interesses próprios, determinam quais seres humanos viverão e quais morrerão”.

Aborto não é sobre o “direito de a mulher escolher”. É sobre um “direito à vida” mais fundamental, que é um dos três especificamente identificados direitos inalienáveis na Declaração de Independência (e na Constituição por meio do Artigo VII e da Declaração de Direitos). E é uma violação do principal propósito do governo: proteger a vida humana inocente.

Thomas Jefferson escreveu em 1809: “O cuidado da vida humana e a felicidade, e não a sua destruição, é o principal e único alvo do bom governo”. Ele, é claro, não estava escrevendo acerca dos EUA de hoje, que tem aborto aprovado e subsidiado pelo Estado, e tem um movimento para promover a matança dos idosos por meio da eutanásia. Mas ele poderia ter escrito. E sua convicção no que deveria ser “o principal e único alvo do bom governo” deveria ainda ser válida — e isso inclui o presidente dos Estados Unidos da América. Mas se o presidente e seu governo não protegerem os direitos dos vivos (até mesmo no útero), então quem fará? Um Congresso de tendência esquerdista?

Todos os políticos que elegemos têm de sustentar o objetivo supremo do governo e se esforçarem para nos levar de volta à visão da humanidade que enfatiza o valor imortal de todo ser humano. Sem isso, nunca poderemos crer que todas as pessoas (inclusive aquelas no útero) são criadas iguais, que elas têm direitos inerentes e inalienáveis e que a proteção desses direitos é “o principal e único alvo do bom governo”.

E, se nossos políticos não protegerem a vida humana em gestação, nó deveremos fazê-lo. Com o Domingo da Santidade da Vida* em 18 de janeiro, com Obama tomando posse em 20 de janeiro, com a Marcha pela Vida anual em Washington DC ocorrendo em 22 de janeiro (no exato aniversário de Roe v. Wade) e com a LLE ameaçando no precipício legislativo do Congresso e da Casa Branca, agora é hora de marchar e agir de novo para defender os bebês em gestação.

Chuck Norris estrelou mais de 20 filmes, inclusive a famosa série “Texas Ranger”. Seu mais recente livro tem o título de “Black Belt Patriotism”. Para conhecer mais sobre a vida e ministério de Chuck Norris, visite seu site oficial: http://www.chucknorris.com

* Como um de seus últimos atos como presidente dos EUA e na iminência de tomar posse um presidente publicamente pró-aborto, George Bush declarou 18 de janeiro de 2009 como Domingo da Santidade da Vida. Para mais informações, siga este link: http://juliosevero.blogspot.com/2009/01/dia-nacional-da-santidade-da-vida.html

Traduzido e adaptado por Julio Severo: www.juliosevero.com
Fonte: WND

Nenhum comentário:

ÁUDIO - Novo Testamento

Operação LAVA JATO

Operação LAVA JATO
Operação LAVA JATO

Nosso recall - AS MAIS ACESSADAS

GUERRILHA

Palavras-chave para encontrar as mensagens afins

'picou o fumo' (1) 1859 (1) 1984 (1) 83 anos (1) A Revolução dos Bichos (1) Abel (1) aborto (1) abstinência (1) ABU (1) Academia (2) acústico (1) Aécio (1) aforismo (6) Agur (1) Alagoas (1) Alexander Blackford (1) Alexandria (1) aliança (2) aloprados (5) Améria Latina (1) América Latina (2) Amigos (1) anticomunismo (18) Anticristo (2) Antony Muller (1) Apologética (8) apostila (1) Aracaju (1) arte (13) AT (1) ateísmo (1) atualização (1) aula (4) banda mais bonita da cidade (2) Bandeira Nacional (1) Barack Obama (3) Batistas do Brasil (1) batistões (1) BBC (1) bênção (1) Bené Barbosa (1) Bento XVI (1) Betânia (1) Bíblia (10) biologia (1) Brasil (28) Bruno Garschagen (1) C. S. Lewis (4) Cabo Anselmo (1) Caim (1) Caio Fábio (2) Calvário (1) calvinistas (5) Calvino500 (5) canções (8) Capitalismo (2) Casa Editora Presbiteriana (1) casamento (1) castidade (1) CEP (1) ciência (3) cinema (1) citações (2) compromisso (3) comunidades (1) comunismo (12) Confissão de Fé (3) Confissão de Fé da Guanabara (3) Confissão de Fé de Westminster (1) consciência cristã (2) conservadores (7) Constituição Federal (2) Copa do Mundo (1) Cornelius van Til (1) corrupção (4) Cosmovisão (3) CPAJ (1) cria (1) CRIAÇÃO-QUEDA-REDENÇÃO (2) criacionismo (2) cristianismo (9) Cuba (5) cultura (6) curiosidades (1) curso (2) D. Pedro II (1) Darth Vader (1) Darwin (1) darwinismo (1) Davi Charles Gomes (1) David Portela (1) debate (2) DEM (2) Democracia (3) dengue (2) depravação total (1) descaso (3) Desenho Inteligente (1) desmando (1) Deus (1) DI (1) Dilma (10) direita (5) direito (2) distopia (1) ditadura (8) Ditadura gay (7) documentário (1) doutorado (1) Drummond de Andrade (1) Duran Duran (1) eclesiologia (1) economia (5) Ed René Kivitz (1) Editora FIEL (1) Eduardo Galeano (1) Eduardo Mano (1) Edward Elgar (1) Egito (2) Eleição (2) eleições (9) Enéas Carneiro (1) EPL (1) escândalo (1) Escola Austríaca (1) esperança (1) espiritualidade (1) esquerda (6) Estado (2) Estudantes Pela Liberdade (2) ética (2) EUA (4) evangelismo reformado (2) Evangelização (6) exegese (1) Exército Brasileiro (2) Exposições Bíblicas (6) Família (1) Fança (1) FARC (2) fascismo (1) (5) fé reformada (3) felicidade (1) Felipe Moura (1) Fernanda Takai (1) Fernando Pessoa (1) Fidel Castro (2) FIFA (2) filme (1) filosofia (6) Forças Especiais (1) formatura (1) Foro São Paulo (5) foto (3) França Antártica (3) Francis Shaeffer (3) Francisco Leonardo Schalkwijk (1) futebol (2) futebolatria (1) Gabriel Melo (1) Gênesis (1) gente (1) George Orwell (2) George W. Bush (1) Gladir Cabral (1) Gordon Clark (1) governo (5) governo mundial (1) graça comum (2) Guilherme de Carvalho (2) Habreus (1) hangout (1) Hermann Dooyeweerd (2) hermenêutica (1) hetero (2) hipocrisia (1) história (2) homenagem (1) Hugo Chaves (2) huguenotes (2) Humberto Gessinger (1) Humor (9) identidade (1) ideologia de gênero (1) idolatria (2) Igreja (5) Igreja Presbiteriana (8) Igreja Presbiteriana da Escócia (1) igreja romana (1) incoerência (1) indiferença (1) Ìndio da Costa (1) Inerrância bíblica (4) Intelligent Design (1) internet (1) IP Simão Dias (4) IPB (7) IPB150 (2) IPSD (1) ironia (1) Itaporanga Dajuda (1) Jan Lievens (1) Jesus Cristo (5) JMC (2) (1) João Calvino (6) João Pereira Coutinho (1) John MacArthur (1) John Piper (1) Jorge Camargo (1) Jorge Rheder (1) José Anselmo dos Santos (1) Josh McDowell (1) julgamento do mensalão (1) KGB (1) Kim Kataguiri (1) L'Abri Brasil (2) Lagarto (1) Laranjeiras (1) leis (2) liberais (2) liberalismo econômico (5) liberalismo teológico (2) liberdade de expressão (2) Liberte-SE UFS (1) lirismo (1) literatura (1) livros (4) Lobão (1) lógica (1) Ludgero Bonilha (1) Ludwig von Mises (1) Luiz Felipe Pondé (2) LULA-PT (20) Lupércio Damasceno (1) mães (1) mal (1) maldição (2) mandato cultural (2) manutenção (1) mapas (1) Marcos Almeida (1) Marcos Eberlin (1) Marina (1) Mark Dever (1) Martinho Lutero (2) mártires (1) Marx (2) marxismo (2) masculinidade (1) Mauricio Pereira (1) Mauro Abranches (1) Max Weber (1) médicos cubanos (1) mensalão (1) mentira (2) método histórico-gramatical (1) Milton Friedman (1) Ministério FIEL (1) Mises Brasil (1) missões presbiterianas (1) Mocidade Presbiteriana (1) movimento gospel (2) Movimento Viva Brasil (1) Mr. Bean (1) MST (1) música (18) nacionalismo (1) Nancy Pearcey (1) Nárnia (1) Natal (2) natureza (1) Nelson Bomilcar (2) neopentecostalismo (1) Nova Ordem Mundial (1) NT (1) Olavo de Carvalho (4) oração (2) Os Trabalhadores do Mar (1) Paixão de Cristo (1) Palavra de Deus (6) Palavrantiga (1) palestra (1) Papa (2) PAPAweek (1) Paraguai (1) páscoa (1) pastorado (1) Pato Fu (1) pátria (1) Patrocínio (1) Paulinho Marota (1) Paulo Autran (1) pecado (9) pérolas (2) PeTralhas (17) piedade (1) poesia (17) policial (1) política (35) Pregação (3) Presb. Udilson Soares Ribeiro (1) presbiterianismo (1) Presbiterianos em Sergipe (1) Prof. Dr. William de Siqueira Piauí (1) PRONA (1) propriedade privada (1) protesto (5) Provérbios (1) pureza (1) química (1) R. R. Tolkien (1) rádio (1) Rebanhão (1) redenção (1) Reforma Protestante (8) religião (2) resistência (1) ressurreição (1) Rev. Gilmar Araujo Gomes (5) Rev. Ruben Viana (1) revolta (2) revolução (6) Revolução Cultural (3) Revolução Francesa (1) rio São Francisco (1) Roberto Campos (1) Robespierre (1) Roda Viva (1) Romanismo (3) Rookmaaker (1) Rowan Atkinson (1) Salomão (1) saúde (1) secularismo (3) seita (2) Semana Teológica (1) sergipano (4) Sergipe (6) sexo (2) shalom (1) Sibéria (1) Silvio Romero (1) Simão Dias (2) simbologia (2) símbolos cristãos (1) sistema conciliar (3) sistema de governo (7) sistema federativo (2) socialismo (2) Star Wars (1) Stênio Marcius (4) Suécia (1) Tabernáculo (1) Taiga (1) Taxonomia (1) tecnologia (1) televisão (1) teodiceia (1) Teologia (12) terrorismo (5) terrorista (2) Testemunho (4) Tiago Iorc (1) tirania (2) Tobias Barreto (1) totalitarismo (6) Trovoa (1) Tunísia (1) UFS (3) Universidade Presbiteriana Mackenzie (5) utopia (1) Verdade (3) Victor Hugo (1) vida (1) vida rústica (1) Vídeos (24) votos (1) Wittenberg (1) Zusha Music (1)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

MAIS ALIMENTO

---------------------- Reina-Valera (RVR 1995) ---------------------- Nouvelle Edition de Genève (NEG1979) ---------------------- New International Version (NIV) ---------------------- ---------------------- ---------------------- FONTE: https://www.biblegateway.com/usage/votd/custom_votd/?version=NIV

CANÇÃO PARA JÓ - Gladir Cabral

https://w.soundcloud.com/player/?visual=true&url=https%3A%2F%2Fapi.soundcloud.com%2Ftracks%2F130150703&show_artwork=true&= FONTE: https://www.youtube.com/watch?v=TuWnsp1GML4